Compartilhe no Google+ e Twitter

3 de mar de 2010

Penetra em Festa de Militares

Penetra em festa de militares. Um cara entra de mansinho na festa. Olha para as pessoas, desconfiado

Penetra em festa de militares


Penetra é aquele cara que entra numa festa sem ser convidado. Ele é o cara tipo cara de pau. Encontra uma festa. Entra nela. Procura um jeito de se enturmar. E participa da comilança na maior folga.

Em determinadas cidades o penetra é também chamado de bicão. Aqui em Cuiabá, por exemplo, é comum ouvirmos alguém dizer que tem bicão na festa. Alguns reclamam dizendo que o bicão, além de entrar sem ser convidado, ainda traz convidados com ele. Isto é, outros bicões.

Contudo, em nossa história. O penetra entra na festa e percebe que algo ali parece estar muito errado. Mas não sabe o que é.

Pois uma particularidade lhe chama a atenção: A maioria dos que estavam ali era militares.

Claro, ele não sabia disso: era uma festa de militares. Com isso nosso penetra estava boiando mais que pneu em lagoa de pobre.

Ele havia entrado justamente numa festa de oficiais das Forças Armadas. E oficiais das Forças Armadas, como você deve saber, gostam de andar naquelas fardas tinindo de engomadas. E, além disso, exibem uns medalhões pesados. Fitas condecorativas e umas medalhinhas mais, para mostrar seu grau de hierarquia.

Bem, voltemos ao penetra:

Que fazer, né?, pensava ele. Ir embora dali e procurar outra festa? Nem pensar! Já era tarde. Além do mais, só um bobo faria isso.

Pois bem. Decidiu ficar ali mesmo. Se era aniversário ou não, saberia depois. Torcendo para que fosse de uma das gatas que brilhavam no salão.

O mais difícil era entrar. Isso ele já tinha conseguido, na faixa.

As mulheres eram bonitas até demais. Umas deusas! Os salgadinhos, então, apetitosos. E a bebida? Ah, uma fineza de doer. Finíssima!

Bem, no entanto, por não usar farda, sentia-se desolado, sozinho. Faltava se ambientar na festa, isso sim. Puxar assunto com alguém, essas coisas. Mas ele detestava militares. Militares de qualquer tipo. De qualquer natureza. Como encontrar alguém ali que pensasse como ele?

Ficou na espreita, olhando para um lado e outro, até que por fim surgiu uma grande oportunidade.

Entrou no salão um homem de paletó e gravata, e uma mulher elegante se aproximou dele e lhe disse:

- Estou muito encantada de o senhor o senhor estar aqui, Capitão-de-Mar-e-Guerra. Feliz mesmo por vê-lo.

- Muito obrigado, Dona... Mas eu não sou Capitão-de-Mar-e-Guerra, sou Contra-Almirante. Só Contra-Almirante.

Risos.

O nosso penetra esperto ouviu com ênfase o final da frase Contra-Almirante e não teve dúvida de se aproximar do militar à paisana. Pois bem, aproximou-se dele e lhe disse:

- Maravilha, cara. Até que enfim encontrei nesta festa alguém que pensa como eu. O senhor é contra Almirante?

- Sou.

- Que bom! Também sou contra Almirante. Aliás, não só contra Almirante, como contra todos os f.d.p.s fardados que estão aqui. Odeio milicos!

Esta é uma história de ficção. Qualquer semelhança com outras festas é uma mesa casualidade.

Postagem de Amorelindo para o blog Conta Outra Piada.

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe no Google+ e Twitter

Design e Ilustração por: ChucK Templates